Todos os dias, em média, seis toneladas de lixo são retiradas da rede de esgotamento sanitário de São Luís, segundo dados divulgados da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema). O descarte indevido de resíduos gera obstrução e transbordamento das tubulações.

“Os materiais vão desde líquido, pastoso a sólido. A parte sólida, que costuma representar 10% desse material, é a maior responsável pelos problemas de obstrução das redes coletoras de esgoto”, afirma Carlos Rogério, diretor de Operação, Manutenção e Atendimento ao Cliente da companhia.

Entre os resíduos mais comuns encontrados no estado estão garrafas pet, tecidos, sacolas plásticas, ferro, madeira e até areia.

Por isso, de janeiro até julho deste ano, em São Luís, 3.255 desobstruções foram realizadas nas redes coletoras de esgoto. O total equivale a, aproximadamente, 465 serviços dessa natureza. Por mês, em média, são retirados 400 kg de resíduos a cada operação. Janeiro foi o mês com mais desobstruções de pontos de esgoto realizadas, 630 ao todo.

Entre os bairros com mais registros de desobstrução estão: Cidade Operária, Centro e Cohatrac IV. A prática de descartar resíduos sólidos na rede de esgoto, e até mesmo a colocação de água da chuva na rede de esgotos, são as maiores responsáveis pelas obstruções e transbordamentos nas vias.