Segundo estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), das dez cidades mais pobres do Brasil, oito delas estão no Maranhão. No município maranhense de Fernando Falcão a renda média da população é de R$19,89 e o patrimônio líquido médio da população é de R$156,00. Fernando Falcão, limita-se ao Norte, com o município de Barra do Corda; a Leste, com Tuntum; a Oeste, com Formosa; e ao Sul, com  Mirador. Fica a 542km de São Luís, tem uma população de pouco mais de 10 mil pessoas, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e é o município de menor renda do país.

O estudo conduzido por pesquisadores da Fundação Getúlio Vargas (FGV) que identificou as cidades com a maior concentração de ricos no Brasil, e também as mais pobres. Nova Lima, localizada a 24,5 quilômetros de Belo Horizonte, está no topo do ranking das mais ricas, seguida pelos municípios de Santana de Parnaíba (SP), Aporé (GO), São Caetano do Sul (SP) e Niterói (RJ).

Entre as mais pobres, das 10 com menores rendas do país, estão 8 maranhenses. Pela ordem, figuram: Milagres do Maranhão, Turilândia, Primeira Cruz, Jenipapo dos Vieiras, Chaves (PA), Centro do Guilherme, Cachoeira do Piriá (PA), Matões do Norte, Fernando Falcão.

Dentre os estados, o Maranhão fica na última posição, com renda média de 363 reais.  A capital, São Luís,  fica em 22º lugar, com a renda média de 1.212 reais. O Distrito Federal é a unidade federativa de maior renda média, com 2.981 reais.

O tabelamento foi elaborado pelo economista Marcelo Neri com base nos dados de declarações de imposto de renda de 2018 gerados pela Receita Federal, e dados do Tribunal de Contas da União IBGE/2019. O economista estabeleceu qual era a proporção de declarantes em relação à população total das cidades e obteve a renda média a partir da divisão do valor declarado pelo número de pessoas que habita cada município.

A mineira Nova Lima tem população com renda média de 6.253,03 reais. A cidade sedia a escola de negócios Fundação Dom Cabral e é um dos principais lugares de atuação da mineradora Vale, que mantém no local o Centro de Tecnologia de Ferrosos e o Centro de Controle Ambiental. O município, de pouco mais de 90.000 pessoas, também abriga condomínios de luxo que atraem pessoas que trabalham na região metropolitana de Belo Horizonte.

Dentre as capitais, a que está melhor colocada é Florianópolis, na sexta posição, com renda média de 3.998,30 reais. Completam a relação das dez primeiras classificadas as cidades de Santos – SP (3.763,84 reais), Porto Alegre – RS (3.725,15 reais), Vitória – ES (3.516,16 reais) e Campos do Jordão – SP (3.493,98 reais). São Luís fica na 22ª posição.

Na parte inferior da tabela, o Maranhão contabiliza oito municípios entre os de menor renda do país, enquanto o Pará apresenta dois.

O pior colocado é Fernando Falcão. A reportagem entrou em contato com a prefeitura da cidade, pelos números de telefone apresentados no site do executivo municipal, mas não conseguimos contato.

Segundo a FGV, os dados do Imposto de Renda gerados pela Receita Federal permitem captar a renda de diferentes segmentos da população com mais propriedade que os dados de pesquisas domiciliares tradicionalmente usados em estudos sobre pobreza e desigualdade no Brasil.

Brasil registrou renda domiciliar per capita de R$ 1.438 em 2019
Em 2018, a pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou que o rendimento médio por domicílio era de R$ 1.373,00 no Brasil. Em 2019 o registro foi de uma renda domiciliar per capita de R$ 1.438,67, em pesquisa  feita com base nas informações colhidas na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) e que são enviados ao Tribunal de Contas da União (TCU).

O Distrito Federal foi a unidade da federação com a maior renda em domicílio per capita: R$ 2.685,76. Enquanto o Maranhão registrou o menor valor: R$ 635,59.

A pesquisa foi realizada em 211 mil domicílios de 3.500 municípios.

A divulgação do rendimento nominal mensal dos domicílios brasileiros serve como um dos critérios de rateio do Fundo de Participação dos Estados e dos Distrito Federal (FPE).

Confira o ranking com as 10 cidades de maior renda média no Brasil (Município/Renda Média da População/Patrimônio Líquido Médio da População):

– Nova Lima (MG) – R$ 6.253,03 – R$ 321.820,35
– Santana de Parnaíba (SP) – R$ 5.384,77 – R$ 279.054,00
– Aporé (GO) – R$ 5.233,93 – R$ 736.225,72
– São Caetano do Sul (SP) – R$ 4.565,34 – R$ 214.099,50
– Niterói (RJ) – R$ 4.186,51 – R$ 131.999,52
– Florianópolis (SC) – R$ 3.998,30 – R$ 151.856,42
– Santos (SP) – R$ 3.763,84 – R$ 140.565,88
– Porto Alegre (RS) – R$ 3.725,15 – R$ 145.051,23
– Vitória (ES) – R$ 3.516,16 – R$ 132.039,06
– Campos do Jordão (SP) – R$ 3.493,98 – R$ 82.853,52

Confira o ranking com as 10 cidades de menor renda média no Brasil, as mais pobres (Município/Renda Média da População/Patrimônio Líquido Médio da População):

São João do Soter (MA) – R$ 36,33 – R$ 223,38
– Milagres do Maranhão (MA) – R$ 36,14 – R$ 425,07
– Turilândia (MA) – R$ 35,90 – R$ 75,48
– Primeira Cruz (MA) – R$ 34,86 – R$ 86,62
– Jenipapo dos Vieiras (MA) – R$ 34,72 – R$ 375,00
– Chaves (PA) – R$ 34,10 – R$ 136,62
– Centro do Guilherme (MA) – R$ 32,99 – R$ 258,64
– Cachoeira do Piriá (PA) – R$ 31,48 – R$ 221,32
– Matões do Norte (MA) – R$ 26,70 – R$ 321,61
– Fernando Falcão (MA) – R$ 19,89 – R$ 156,00