Em entrevista a El País Brasil, a presidenta Dilma Rousseff analisou, entre outros assuntos, o cenário eleitoral, que ela considera volátil. Em relação a 2022, ela afirma que ainda é cedo para traçar rumos, mas aponta um fator que pode ser decisivo: Lula não deseja entrar na disputa.

“Lula disse que não quer ser mais candidato, certo? Então, eu não posso falar outra coisa. Eu acho que Lula continua sendo, mesmo não querendo ser candidato, ele continua sendo a liderança mais expressiva no campo popular. Agora, ele disse que não quer ser”, afirmou Dilma.

Diante disso, o que fazer?

“Pode ser uma pessoa do campo. O Lula já falou em [ex-prefeito Fernando] Haddad. O Lula já falou no [governador do Maranhão ] Flávio Dino [PCdoB]… O que não é possível é eu achar que uma pessoa fora de um determinado campo, que tem pelo menos a maioria do campo de oposição vai abrir mão pra quem tem 10%. Esse era o problema, a questão [ em 2018]. A troco [de quê ]? A Cristina Kirchner, na Argentina, abriu mão [da cabeça de chapa da eleição presidencial argentina] para o Alberto Fernandez, que foi o principal assessor de Néstor Kichner”, completou.

 

Da Redação com informações de Conversa Fiada