Nesta quinta-feira (11), após a Defensoria Pública do Maranhão entrar com o terceiro pedido de Lockdown no estado, o poder Judiciário maranhense negou mais uma vez.

O pedido foi realizado por meio dos defensores públicos Clarice Viana Binda e Cosmo Sobral da Silva. A decisão foi tomada pelo desembargador José de Ribamar Castro, do Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão (TJ-MA).

O pedido de Lockdown solicitava que ocorresse no período de 14 dias no estado, limitando o acesso aos transportes rodoviário e aquaviário, assim como transporte particular e público urbano. Além disso, pedia a proibição de eventos sociais públicos e privados durante estas duas semanas. Finalizando, também solicitou que os 217 municípios maranhenses se abstivessem de contrariarem o lockdown e realizassem a fiscalização das medidas restritivas.