Um líder indígena Guajajara foi encontrado morto nesta terça-feira (31), em uma estrada que dá acesso à aldeia Zutiuaem na Terra Indígena Araribóia no municio de Arame no interior do Maranhão.

Ele foi identificado como Zezico Rodrigues Guajajara, seu corpo foi encontrado com diversas perfurações de arma de fogo. Zezico comandava um centro educacional para indígenas.

O líder indígena era uma das grandes lideranças contra a exploração de madeira na região, já teria gravado vídeos denunciando a exploração ilegal da terra por fazendeiros, que estariam segundo ele, acabando com os limites da terra indígena Arariboia. Além de ser sempre ouvido pela imprensa da região.

A Funai recebeu informações de que houve um conflito em janeiro último. Zezico teria sido ameaçado de morte por outros indígenas da mesma região.

Uma carta subscrita por Zezico e outros indígenas relatando as ameaças foi entregue à Coordenação Regional da Funai, em janeiro. Não ficou claro, na comunicação, o motivo das ameaças.

“No dia 15/01/2020, um grupo de indígenas da mesma aldeia foram até a residência do sr. liderança, Zezico Rodrigues Guajajara. Os quais foram armados para cometer crimes de homicídio contra a liderança. Na ocasião um deles sacou de uma faca para tentar esfaquear um dos líderes de jovens e um jovem que tentou defender o outro. Sendo que essas ameaças já vinham sendo anunciadas há dias pelos mesmos, tanto contra o líder Zezico, como contra atuais lideranças, onde afirmam que enquanto não praticarem o assassinato não descansarão.”  diz um dos trechos da carta.

A carta também informa possíveis ameaças contra uma servidora da Funai e um cacique guajajara. Em outro trecho, Zezico também  pede apoio da Funai para conseguir um veículo a fim de ir, com outros sete indígenas, à Polícia Federal de Imperatriz (MA) para o registro de um boletim de ocorrência.

O governo do Maranhão determinou as primeiras apurações sobre a morte de Zezico.  A Secretaria de Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop)  já acionou, através da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP), a Força Tarefa de Proteção a Vida Indígena (FT-Vida).