O Tribunal do Júri de Vitória do Mearim condenou, em 8 de outubro, o pedreiro Josias Sousa Muniz a 27 anos e dois meses pelo homicídio de Clécia Moreno e pelas tentativas de homicídio contra Josélia Mota, Evandro Dutra e Antonio Gomes, em uma festa particular, em 6 de outubro de 2019.

Proferiu a sentença o juiz Haderson Rezende Ribeiro. A tese do Ministério Público foi defendida pela titular da promotoria de justiça de Vitória do Mearim, Karina Freitas Chaves.

A festa estava sendo realizada na residência de Evandro Dutra, quando o réu invadiu o local, armado de um revólver, e começou a disparar contra os presentes. Somente parou quando as munições acabaram. Segundo o réu, o motivo do crime foi a recusa de Evandro permitir-lhe entrar armado na festa.

Josélia Mota foi atingida em uma das pernas e Evandro Dutra foi alvejado em uma das virilhas. Antonio Gomes foi a vítima mais gravemente ferida, tendo sido atingido por quatro tiros. Três balas ainda estão alojadas no corpo dele.

As penas respectivas pelo homicídio de Clécia Moreno e pelas tentativas de homicídio contra Evandro Dutra e Josélia Mota foram quatro anos e nove meses de reclusão. Porém, a tentativa contra Antonio Gomes resultou em pena de seis anos e quatro meses de reclusão, porque “embora não constem lesões graves, o réu efetuou quatro disparos em face da vítima e deixou de ter munição para continuar com sua conduta”.