O presidente da colônia Z-35 de Estreito, Edvaldo Fernandes Lima, voltou atrás e apresentou uma nova versão, após acusar o grupo de Léo Cunha de ditadura e racismo.

Ele tinha emitido uma nota na tarde desta quarta-feira (04), afirmando que não seria candidato e que era vítima. Edvaldo alegava que teve seu nome retirado de uma Ata do Partido Liberal (PL).

Ainda não se sabe os motivos que levaram, Edvaldo a contar uma nova versão. Diferente da divulgada por ele em grupos de WhatsApp, através de uma nota, escrita e assinada por ele.

“Quero pedir desculpas a todos os amigos, não foi culpa minha, mas de quem coordena o partido, que não quis ver meu sonho realizado, sabemos que a ditadura ainda continua em nosso país, e o racismo contra a classe negra, eu fui mais uma vítima” disse Edvaldo em sua nota.

Após grande repercussão, Edvaldo gravou um vídeo, que foi ao ar no final da tarde desta quarta-feira (04), apresentando uma nova versão, bem diferente da divulgada por ele, mas cedo. Veja abaixo o vídeo.

 

Veja abaixo os prints divulgados por Edvaldo, antes de gravar o vídeo e apresentar a nova versão.