Durante pronunciamento na Assembleia Legislativa realizado na última quarta-feira (26), o pré-candidato a prefeito de São Luís, Wellington do Curso, mostrou coerência e firmeza ao se posicionar diante de rumores que indicam uma tentativa de impedir que ele figure na disputa eleitoral desse ano. Trata-se da possibilidade do PSDB não lançar candidatura própria, mas sim apoiar outro candidato, no caso, Eduardo Braide, do Podemos.

Sobre essa possibilidade, Wellington do Curso disse acreditar que o deputado federal Eduardo Braide não iria participar de tamanha traição, caso houvesse essa possibilidade.

“Em 2016, quando Braide tinha 1%, eu fui um dos defensores da participação dele nos debates eleitorais. Já no segundo turno, eu o apoiei por livre e espontânea vontade. E não participei de acordo para apoiá-lo em 2020. Agora, acredito que Braide não seria covarde ao ponto de aceitar que me tirem da disputa no tapetão para apoiá-lo. Isso seria muita maldade e crueldade e não coaduna com princípios democráticos e republicanos. Quanto ao Partido, em 06 de março de 2020, o amigo e senador Roberto Rocha, presidente estadual do partido, garantiu que eu seria candidato. O que mudou de lá pra cá? Se existia a possibilidade de não me dar a legenda para a disputa, por que não me liberaram para procurar outra sigla partidária. Partido nenhum descarta um candidato em 2º ou 3º colocado na preferência da população. Sigo firme com a minha pré-campanha nas ruas de São Luís e acredito que nossa cidade mereça alguém íntegro e que tenha comprometimento. Integridade e lealdade se prova desde antes do jogo eleitoral começar!”, disse Wellington.

Ainda em sua fala, Wellington fez referência ao bom relacionamento que tem com todos os pré-candidatos e à grande aproximação que tem com os que são do campo de oposição.

“Temos um bom relacionamento com todos os pré-candidatos. A nossa aproximação é respeitosa, inclusive, e muito maior com os que fazem oposição, a exemplo de Adriano, do PV; do apóstolo Silvio Antônio, do PRTB; e do próprio Braide, do Podemos. Ainda assim, em momento algum nós nos colocamos à disposição para ser vice ou sequer garantimos uma composição já no primeiro turno. Não descartamos a possibilidade de analisar o cenário e dar uma resposta sobre composição ainda no 1º turno, entre os dias 5 e 10 de setembro, antes das convenções. No entanto, o que nós sempre defendemos é que a composição e união poderia ocorrer em um eventual segundo turno, caso nós não fôssemos para essa disputa em um segundo momento. Portanto, não desisto e sigo pré-candidato a prefeito, na certeza de que não vou ser traído e que tambem não serão covardes comigo e nem com a população de São Luís! ”, disse Wellington.