A Polícia Civil do Maranhão concluiu o inquérito policial que tinha como objetivo a apuração da morte de Francisco de Sousa, 58 anos, morto a facadas na manhã de 23 de julho, na zona rural do município de Tasso Fragoso, no Sul do Maranhão. Na época, seu corpo foi encontrado completamente carbonizado em uma casa abandonada.

A Polícia Civil iniciou as investigações, apontando que a vítima esteve no dia do crime em um bar, próximo ao local do crime e que foi visto saindo sozinho. A investigação chegou a ouvir todas as pessoas que estiveram no bar no dia do crime.

Entre esses, um jovem de 19 anos, que foi ouvido pela polícia e acabou confessando o crime. De acordo com seu depoimento, ele teria sido estuprado por  Francisco de Sousa, quando tinha apenas 11 anos de idade. Na época, Francisco fazia o transporte escolar e sempre se hospedava na casa do jovem, após ganhar confiança da família. Durante a noite ele estuprava o jovem, enquanto os moradores dormiam.

No dia do crime, ele confessou que foi novamente assediado por Francisco, que teria mandado recados dizendo que estaria afim de manter relações sexuais. O jovem teria marcado o encontro na casa abandonada, onde matou e ateou fogo no corpo de Francisco

Em razão de tais fatos, o jovem identifico pelas inicias D. S. M. foi indiciado por homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe e à traição e também por destruição de cadáver, crimes cujas penas somadas podem chegar a 33 anos.