A Polícia Federal (PF) intimou a líder indígena Sonia Guajajara, coordenadora executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), em um inquérito aberto a pedido da Fundação Nacional do Índio (Funai) sob a acusação de difamar o governo federal.

A fundação afirma que a ativista e a entidade que ela presidem fizeram acusações que difamaram o governo de Jair Bolsonaro por meio da websérie “Maracá”, que mostra supostas violações de direitos cometidas contra os povos indígenas no contexto da pandemia de covid-19.

A Funai aponta ‘calúnia e difamação’ e diz que documentário propaga ‘fake news’.

Segundo a assessoria de Sonia Guajajara, a websérie apresenta dados sobre a propagação do coronavírus entre os povos indígenas e esses números foram considerados fake news.

Em nota, a líder indígena afirma que, “o governo busca intimidar os povos indígenas em uma nítida tentativa de cercear nossa liberdade de expressão, que é a ferramenta mais importante para denunciar as violações de direitos humanos”.

A entidade ainda pontua que mais da metade dos povos indígenas foram atingidos pela covid-19, com mais de 53 mil casos confirmados e 1059 mortos.